Misericórdia para quem precisa de misericórdia

8/11/2016 às 08h11
fonte: imagem e divulgação internet

Misericórdia para a Santa Casa de Misericórdia 

“Uma cidade sem seus velhos edifícios é como um homem sem memória.” –Teles e Leandro Silva.

Meus leitores creio que esse é um assunto muito importante para nós manauaras. Ontem, passando em frente ao prédio secular onde funcionou a Santa Casa de Misericordia de Manaus, me veio um sentimento de profunda tristeza ao ver nossa história já transformada em escombros. 

Segundo o escritor Antonio Loreiro, A Santa Casa de Misericórdia “datada da segunda metade do século XIX, era o local em que se praticava as três virtudes: teologias, a caridade sob a forma de cuidar dos doentes e enterrar os mortos e outras como dar de comer, beber, vestir, cuidar dos órfãos, dos enjeitados e das viúvas". 

Hoje, a Santa Casa encontra-se falida e em estado lastimável sem espectativa de ressurgir das cinzas como uma fenix. 

Essa magnífica construção que outrora tinha capacidade de atendimento de mais de 400 leitos, de uma maternidade e de um pronto atendimento, em pleno centro da cidade Manaus, encontra-se abandonada e jogada a sua própria sorte. 

É de doer o coração ver tão lindo patrimônio que serviu a toda uma população de portas fechadas e destruído pela incúria e insensibilidade de diversos governos que prometeram restaurá-la mas não cumpriram suas promessas para com o povo. 

Penso que estamos em um momento de crise, sim, em crise de inteligência mesmo. Crise de respeito. Crise de entendimento do que faz a nossa história, e infelizmente essa crise não é de hoje nesta minha Manaus. 

Necessitamos preservar pelo menos nossa história para que as gerações futuras possam sentir in loco a visão panorâmica de uma cidade urbana, humana e de como se vive nela e também para se reapreender como se devem construir cidades urbanas e humanas. 

Assim sendo, impõem-se a preservação de nosso patrimônio histórico por razões históricas, políticas, afetivas e humanitárias. 

Em síntese, pode-se dizer que a gênese instrumental de um edifício e a relação das  pessoas com ele é a sua história. 

Triste sina da nossa Santa Casa de Misericórdia. 

Misericórdia para quem precisa de Misericórdia.

Um povo sem historia não existe!