Tabagismo, o mal da destruição dos dentes e da boca

31/12/2014 às 12h12

O que é o tabagismo? – É ato de se consumir cigarros ou outros produtos que contenham tabaco, cuja droga ou princípio ativo é a nicotina. A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que o tabagismo deve ser considerado uma pandemia, ou seja, uma epidemia generalizada, e como tal precisa ser combatida.

O tabaco e seus derivados podem ser usados de diversas formas de acordo com a sua forma de apresentação: inalado; (cigarro, charuto, cigarro de palha) aspirado; (rapé) mascado; (fumo-de-rolo), porém de todas as formas ele é maléfico à saúde.

O tabagismo causa cerca de 50 doenças diferentes. Ele é responsável por muitas mortes.

Uma característica muito marcante de quem fuma há muito tempo são os dentes amarelados e gengivas escuras, devido à substâncias presentes no fumo como a nicotina e o alcatrão que aderem ao dente e à gengiva de maneira acumulativa. A cada tragada, e concentração das substâncias contidas no fumo, o fumante deposita pigmentos que alteram a cor normal dos dentes e gengivas, e agravando de acordo com a higiene oral de cada indivíduo fumante.

Na gengiva, comissuras labiais e nas bochechas essa pigmentação é estimulada por produção de melanina, causando manchas acastanhadas ou escuras.

As mulheres são mais afetadas e há indícios de que tal fato se deva aos hormônios femininos. As pigmentações ocorrem mais em fumantes inveterados. Com o abandono do hábito de fumar, essas manchas desaparecem gradativamente, mas podem levar bastante tempo.

Nos dentes, além de manchas amareladas, a doença periodontal avançada leva à destruição dos tecidos de suporte dos dentes, afeta o osso, causando aumento da mobilidade e até mesmo a perda dos dentes.

Os fumantes, além de doenças nas gengivas, apresentam surtos de secura com a diminuição de saliva e mau hálito, muitos afirmam não sentir mais sabor como antes.

A saúde bucal está em perigo cada vez que se acende um cigarro, um charuto ou um cachimbo. Com essa atitude, as chances do fumante desenvolver câncer de boca aumentam. E como muitas pessoas não notam ou simplesmente ignoram os sintomas iniciais, o câncer bucal muitas vezes se espalha antes de ser detectado.

Os prejuízos estéticos podem ser revertidos com limpezas, hábitos de higiene, troca de restaurações, clareamento dentário ou outros tratamentos de ponta na odontologia.

Entretanto, apesar de visível e indesejado, esse é o menor dos problemas orais de quem fuma.

O tabagismo está relacionado aos cânceres de lábio e da cavidade bucal (câncer de boca), laringe, esôfago e pelas doenças respiratórias.

Dependendo do tipo e da quantidade de tabaco usado, os fumantes apresentam uma probabilidade maior de desenvolver câncer de boca do que os não- fumantes.

Na boca, as áreas mais afetadas são a língua e o assoalho da boca. As lesões aparecem inicialmente como pequenas feridas indolores que não cicatrizam, aumentam de volume (caroços inchados) ou manchas esbranquiçadas ou avermelhadas.

Entre os indivíduos que apresentam câncer de cavidade bucal, 90% são fumantes.

E o hábito de mascar tabaco eleva em inúmeras vezes a possibilidade de se desenvolver o câncer bucal.

O fumante deve realizar visitas periódicas ao dentista, fazendo um acompanhamento dos dentes, gengivas e principalmente da mucosa bucal e manter uma boa higiene oral.

O melhor é não fumar ou de não fazer uso de quaisquer outros produtos derivado do fumo.

Quanto mais cedo você parar de fumar, menor o risco de se dar mal.

Quem não fuma vive mais e aproveita melhor a vida!